sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

O final de mais uma adaptação no Atari 2600

É, depois de um bom tempo vagabundeando parado volta a saga do Atari 2600 "sequelado". Há muito tempo atrás, numa galáxia bem distante... ops! quero dizer, numa postagem bem distante o Macagnan começou a mostrar uma modificação do Atari 2600S inspirada no Odissey do Tabajara:


A postagem termina com um close do cabo com o conector preparado e a "deixa" para a próxima postagem, onde apareceriam os conectores já instalados. Bom, promessa é promessa e que seja cumprida antes tarde do que nunca. Antes de prosseguir, aviso aos heroicos leitores que ainda se aventuram a ler este blog que, na empolgação de fazer dar certo, o Macagnan tirou poucas fotos do processo mas vamos lá.


A ideia era essa: usando um estilete, um pedaço de serra para metal e uma lima (dessas de afiar enxadas), abrir um rasgo na carcaça superior, assim eliminando o furo por onde passava o cabo do controle original. Na carcaça inferior, um rebaixo na parte externa para depois ser possível encaixar o conector DB9 e outro rasgo na parte interna para acomodar o conector DB9 e os fios. Com muita paciência, cuidado, capricho e uma música boa pra acompanhar dá pra fazer até melhor do que ficou na foto. Mas como o Macagnan não tinha muita intimidade com corte em plástico, ficou essa "mercadoria" assim mesmo...


Outra coisa que o Macagnan esqueceu e teve que fazer em tempo real: na parte interna da carcaça inferior, o rasgo da parte interna pode ser maior que o da parte externa, convém ir fazendo, limando e medindo até chegar no tamanho ideal para acomodar o conector preparado anteriormente.


Depois de muito cortar, limar e serrar com cuidado o encaixe ficou assim. Repare que o rasgo da parte interna não vai até o fundo da carcaça mas sobra uma "rebarbinha" do plástico.É essa rebarbinha que vai manter o conector DB9 alinhado bonitinho pra depois ser fixado. Vale a pena também tomar cuidado porque, nesse ponto, enfraquecemos as estruturas do canto da carcaça inferior e ela pode vir a rachar se manuseada com, digamos assim, a delicadeza de um elefante enquanto se encontrar neste estado (O do Macagnan rachou, e nos dois lados).


E agora, a parte crítica da adaptação. Aqui, um erro cometido no ajuste pode estragar todo trabalho feito até então. É hora de posicionar o conector DB9 bem certo na carcaça pois vamos fixá-lo definitivamente na parte da frente do Atari. Para nos auxiliar podemos encaixar o plugue do controle agora e verificar se o rasgo que fizemos na parte externa da carcaça inferior vai nos permitir encaixar e desencaixar o plugue com folga. Se não der, vá acertando com a lima e lembre-se de cuidar para não rachar a cachaça, digo carcaça. Estando tudo certo, retiramos o plugue com cuidado para não perder o alinhamento ideal. Neste instante, o conector já deve estar encostado no que restou daquelas "paredes" na parte interna da carcaça inferior. O Macagnan optou por fazer algo reforçado na fixação: arrumou dois parafusos bem pequenos e prendeu com eles o conector, lembrando de fazer uma leve pressão no canto, no sentido de fora para dentro, para encostar bem as partes rachadas e assim dar um pouco mais de solidez ao canto da carcaça. Se você for usar parafusos com porca lembre-se de marcar o centro dos furos para poder realinhar o conector na hora de parafusá-lo. Como o Macagnan não tinha parafusinhos com porca, foi de parafuso com rosca soberba (parafuso de madeira) mesmo. Ainda não satisfeito e com receio de que com o uso o conector pudesse se soltar, o conector foi colado ao plástico com a famosa Super Bonder (r) e para garantir que os parafusos não se soltariam do plástico, umas gotas da mesma cola na parte de trás onde a rosca do parafuso transpassou o plástico.


Se tudo correu bem, ao unir as carcaças tudo deve se encaixar sem maiores traumas. Se necessário, alguns ajustes no rasgo da carcaça superior ainda podem ser feitos e, se você tiver tempo, paciência, ferramentas certas e mãos firmes, dá até para fazer os cantos arredondados do DB9. E se você chegou até aqui com sucesso e não enlouqueceu, tenho uma boa notícia para você: um lado terminou mas tem ainda o outro lado para você se divertir e relaxar, repetindo todo o processo novamente.


E este deve ser o resultado final (ou melhor). Ah, e aquelas marcas brancas abaixo do painel das chaves são marcas daquela cola que usamos para prender o conector e o parafuso no plástico. Não lembro o que usei mas consegui minimizar aquelas marcas brancas e depois usei cera automotiva para tentar diminuir ainda mais as marcas. Ficou muito bom. E, antes que perguntem: sim, eu troquei a chave liga-desliga original que era do tipo deslizante por outra do tipo "gangorra" e isolei bem os terminais pois por ali passam os 110 ou 220 volts da rede elétrica. E já que estava "com a mão na massa", aproveitei e troquei as chaves seletoras de dificuldade dos controles e seleção de canal que já não estavam muito boas, inclusive uma delas já em estado de decomposição:


E essas chaves também foram substituídas por outras no estilo "gangorra" (veja aqui a postagem sobre essas chaves). Na hora de soldar a fiação, outro "pulo do gato" que o Macagnan percebeu a tempo: as chaves trabalham de modos diferentes. As chaves seletoras originais funcionam da seguinte maneira: se deslocamos aquele pinino preto para um lado, a chave permite passagem de corrente entre o terminal central e o terminal que está no mesmo lado que o pininho preto foi deslocado. Já a chave "gangorra" que o Macagnan usou funciona da seguinte maneira: abaixando-se a tecla para um lado, a chave permite passagem de corrente entre o terminal central e o terminal do lado contrário ao qual a tecla está abaixada. Para resolver esta "encrenca", basta inverter os fios das laterais. O fio central fica onde estava o pino central da chave original. O fio que está à esquerda na chave nova vai onde estava soldado o pino da direita da chave velha que foi removida e vice-versa. Fica mais ou menos assim:


Depois fui perceber que usei um tamanho exagerado de fio e reduzi pela metade. Acho que terei que entortar e isolar os terminais das chaves novas pois a traseira não está fechando bem mas isso vai ficar para mais tarde. E a saga vai continuar...

Bom, pessoal. Por hoje é só! Até a próxima!
Google+