quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Mais um projeto iniciado...

Será que esse termina? Boa pergunta. Bom, vamos lá, tentar desenrolar as ideias...
Vocês lembram que o Macagnan comprou via Mercado Livre um Atari 2600 cujo vendedor dizia ter guardado funcionando. Pois bem, confiando nisso, o Macagnan abriu o Atari e viu embaixo da placa um punhado de fios fazendo "ponte" entre alguns pinos do conector dos cartuchos e uns pontos da placa e, o mais grave, a placa quebrada em volta das travas do conector e várias trilhas da placa mãe partidas. Ops, temos sérios problemas aí... mas vamos ligar e ver se funciona. Colocamos um cartucho e ligamos o Atari na TV e... e... e... nada, só uma tela preta com alguns padrões cinza ou azuis eventualmente. Daí o Macagnan sentiu aquele frio na espinha e aquele pensamento de "putz, entrei numa fria e joguei $$$$ fora". Bom, mas a "mercadoria" já estava ali mesmo, o jeito era buscar informações para ver o que dava pra fazer.

Pesquisando na internet vários dias (aliás, várias noites), o Macagnan conseguiu muita informação sobre o Atari. Dentre essas, a informação de que aquela tela preta era falha de comunicação do cartucho com a CPU do Atari, ou seja, tinha mais trilhas partidas na placa. Mas, como o tempo livre era curto e as trilhas eram muitas e muito finas para serem seguidas sem erro, o Atari ficou guardadinho para uma outra hora. O Macagnan continuou buscando informações na internet em sites como o do Victor Trucco, Alexandre, mais conhecido como Tabajara, Atari Age, Atari.com.br, Eduardo Luccas, e vários outros que o Macagnan não lembra agora.

Foto: www.lurvely.com
Tempos depois o Macagnan ganhou do colega Ivanor um Master System produzido no Brasil pela TecToy em perfeito estado, com o jogo Alex Kidd in the Miracle World na memória, funcionando, porém com um controle apenas, e ainda com sérios problemas de mau-contato, mas nada que uma manutenção não desse um jeito. Uma espiadinha no Mercado Livre para procurar os controles originais e o Macagnan desistiu. Os controles usados estavam, na época, por um preço não muito atrativo. Haviam outros controles alternativos mais baratos mas não eram exatamente o que o Macagnan procurava. Então, mais um console que ficou para outra hora...

Olhando bem de perto, tanto o Atari quanto o Master System possuem controles com conector DB-9 para conexão. Seriam eles compatíveis entre si? E lá vai o Macagnan para a internet de novo, dessa vez para um velho conhecido: o site Pinouts.ru. E lá estava a pinagem do joystick do Atari 2600, vulgo CX-40, da seguinte forma (olhando-se o conector que vem do controle):


Devidamente "chupinhada" do site do Eduardo Luccas

E no mesmo site a pinagem do controle do Master System. Notaram a diferença? O joystick do Atari não usa o pino 9 mas o Master System usa o pino 9 para o segundo botão. Seria isso um padrão? Nenhum controle da Atari usaria o pino 9? Desta vez a consulta foi feita no AtariAge, e a resposta veio da página de acessórios para o Atari: os "paddles" (CX-30) usados no cartucho Pong, por exemplo, e o teclado numérico usado no cartucho Codebreaker, por exemplo, utilizam o pino 9.

Daí o Macagnan teve uma ideia maluca: se os controles do Master System eram caros, os do Atari eram difíceis de se achar em bom estado e caros e os dois eram relativamente "frágeis", o Macagnan juntou a necessidade de ter os controles dos dois consoles com algo mais resistente, do tipo...  CONTROLES DE ARCADE OU FLIPERAMA!

Estava lançada a ideia de mais um projeto para o Macagnan "se coçar". Então, vamos começar pelo planejamento. Vejamos o que já temos de informações:

  1. Os dois consoles tem o mesmo tipo de conector: DB-9 fêmea no cabo do controle e DB-9 macho no console;

  2. A pinagem para os botões direcionais, o primeiro botão e o "negativo" ocupam as mesmas posições no conector dos dois consoles.
  3. Alguns controles do Atari 2600 usam o pino 9 do conector, o Master System usa o pino 9 como botão, portanto não dá pra deixar o pino 9 conectado diretamente. Quem sabe se não vai "dar pau" na hora de usar no Atari?
Quanto ao fio que vai soldado ao pino 9 é fácil resolver: usa-se uma chave liga-desliga para interromper ou não o caminho do fio 9 soldando-se a chave entre o fio e o conector. Na foto de exemplo, o fio do pino 9 que chega do conector DB-9 poderia ser soldado ao pino central a chave e o fio que vai até o botão 2 do Master System pode ser soldado no pino externo da chave. Assim, para usar no Atari, acionamos a chave e desligamos o fio 9. Para usarmos como controle do Master System, acionamos a chave outra vez e ligamos o fio 9.

Tendo isso em mente, o Macagnan partiu para a ação. Adquiriu um par de joysticks arcade no Mercado Livre similares ao da foto:

Para adiantar, o Macagnan já soldou um par de fios em cada "michochave" dos controles. Para quem vai fazer isso fica a dica: olhe no corpo da microchave como são os pinos internamente. Normalmente essa indicação vem no corpo da mesma:

Foto: www. cromesphere.com
Os contatos que iremos usar são os "COM" e os "NO" (COmmon - comum, em inglês e Normally Opend - normalmente aberto). Se quisermos padronizar, colocaremos um fio preto no conector COM, e este fio preto vai soldado ou bem preso ao fio 8 (pino comum) e os demais fios vão soldados  ao contato NO da microchave. Existem também microswitches com apenas dois contatos. Ao comprá-los, preste atenção para adquirir a microchave certa, com os contatos COM (comum) e NO (normalmente aberto) caso contrário, seu console terá um comportamento de como se tivesse um botão apertado continuamente.. Agora o Macagnan vai passar para a segunda fase: a compra dos botões.

Bom, pessoal! Por hoje é só. Até a proxima!
Google+