sábado, 12 de abril de 2014

Lâmpada de série "chaveável" com materiais reaproveitados (ou a maior parte deles) - Parte 1

Bom, essa surgiu a pedido da esposa do Macagnan depois que aconteceu um "estourinho" com uma pistola de cola quente deste tipo:

Pistola de cola quente de 10 watts "balatinha, balatinha, né"? (Made in China).
Pois bem, uma dessas pregou um susto quando estava em uso. Depois de ficar um tempão ligada na tomada, do nada deu um "estourinho", esfriou e não aqueceu mais. Morreu... a pistola de cola quente... E esse tipo de coisa acontece nas piores horas, quando não há como comprar outra. E nem tem como consertar, nem vale a pena. O jeito foi adquirir outra. E aí veio o pedido da esposa do Macagnan: "Tem como fazer ela não esquentar tanto enquanto não está sendo usada"?

A primeira ideia que ocorreu ao Macagnan foi a de montar uma lâmpada de série. O Macagnan foi bater um papo com o Google e eis que aparece um nome familiar mas já quase esquecido: Newton C. Braga. Um grande profissional da eletrônica, tão bom quanto o saudoso Bêda Marques, da extinta revista "Divirta-se com a Eletrônica". Na página do "Professor Newton", exatamente o que o Macagnan precisava: uma "breve aula" sobre a lâmpada de série. Partindo desta base, o Macagnan começou a se perguntar:
Como será que poderia ser montada uma lâmpada de série que pudesse ser usada enquanto a pistola ficasse ociosa e quando necessário, a pistola ser usada fora da lâmpada de série sem precisar usar duas tomadas e o consequente "tira daqui, põe ali?
Difícil, mas...Mas o Macagnan teve um "insight", uma visão, uma inspiração, um momento de genialidade, ou qualquer coisa do tipo e partiu para a coleta e compra dos materiais para montar a LÂMPADA DE SÉRIE "CHAVEÁVEL"!. Vamos conhecer os materiais:
Um pedaço de tábua (reaproveitada) para a montagem, do tamanho que seja capaz de acomodar os materiais que compõe a lâmpada de série "chaveável" e que caiba na sua bancada, mesa, escrivaninha, onde for usar. Portanto, veja o que mais se adequa ao seu espaço.


Soquete de porcelana (também reaproveitado), resistente e ajuda a dispersar o calor gerado pela lâmpada que será encaixada nele. Também dois parafusos que irão prendê-lo à madeira que irá servir de base para a montagem. Repare bem que existem dois contatos dentro do soquete: um pequeno e parecido com uma língua, no centro e outro grande em forma de tubo com rosca onde será rosqueada a lâmpada. Cada um desses contatos tem um parafuso que serve de terminal para ligação de um fio a ele na parte de baixo ou na lateral do soquete. Guarde bem esses detalhes pois mais adiante vamos utilizar isso.

Um plugue modelo antigo (esse também foi reaproveitado) mas de formato compatível com os encaixes das tomadas modernas (as de três pinos circulares)
Falando neles...
Nesse caso o Macagnan teve sorte de ter um plugue com o encaixe compatível, senão o jeito era comprar um novo...

Interruptor paralelo de uma tecla mais tomada reaproveitado de um estoque antigo e pessoal do Macagnan (essa o Luciano Sturaro vai adorar!). É importante que a tecla seja paralela para o funcionamento conforme o planejado na cabeça do Macagnan.

Olhando-se a tomada por trás (sem malícia, né?), observamos dois parafusos grandes que prendem duas peças de cobre que são os polos da tomada e acima os três parafusos pequenos da tecla paralela. Aqui será construído o "coração" da nossa "engenhoca".


A caixa plástica (comprada) que irá abrigar a tecla, tomada e a fiação da nossa "engenhoca". Essa caixa também é muito usada para instalação de controle de velocidade de ventiladores de teto onde não se pode quebrar a parede para instalar uma caixa de embutir. Ela é quem vai proteger  o usuário de choques acidentais, curto-circuitos causados por objetos e irá dar firmeza à montagem. A caixa é encontrada em lojas de materiais elétricos:


Esta etiqueta veio na embalagem que o Macagnan comprou. Na hora da compra é só pedir por: 
Caixa Sistema "X" 4 X 2


Este rasgo é um dos pontos de fixação da caixa na base. A "orelha" acima é onde vai um dos parafusos que prenderá a tecla e tomada na caixa mas não prenderá o "espelho" da mesma. É importante lembrar que aqui deve-se apertar com suavidade os parafusos senão vai-se o plástico e não se consegue mais fixar a tecla e tomada.


A tomada vai posicionada desta forma, com os furos mais externos coincidindo com os furos das "orelhas" da caixa. Para facilitar o posterior encaixe do "espelho" o Macagnan recomenda usar parafusos com cabeça plana para a fixação. Esses parafusos fixarão a tecla e tomada à caixa mas não o "espelho", que será fixo pelos furos mais internos.


Este será o aspecto do conjunto já montado. Por enquanto não vamos parafusar nada pois temos ainda as ligações elétricas para fazermos.


Três metros de cabo paralelo 2x2,5 mm (comprado também). Será usado para interligar a lâmpada à tomada, confeccionar um "jumper" e o resto se tornará um cabo de energia. Mais adiante veremos algo neste cabo paralelo que nos auxiliará bastante quando realizarmos uma instalação.

 
Uma lâmpada incandescente usada como redutor de tensão e indicador. Como a tensão da rede elétrica onde o Macagnan mora é 220 volts, deve-se usar lâmpadas de 220 volts (se fosse de 110 volts, a lâmpada seria de 110 volts também). Para calcular a potência da lâmpada a ser utilizada, há uma matéria bem explicativa no site Eletrônica e etc, de Paulo Brites que explica muito bem como fazer.


E, antes de iniciar a montagem, um teste de layout só para ver como vai ficar sobre a base. E acabou ficando assim mesmo... A dica é: antes de prender as peças, brinque com o posicionamento até achar uma forma de montagem que o agrade, afinal você estará montando e não comprando pronta.


Um close no cabo paralelo e descobrimos em um dos cabos algumas inscrições em alto-relevo. Geralmente a marca do fabricante e, entre outros, a bitola (grossura) do diâmetro dos fios de cobre utilizados na confecção do cabo. O Macagnan costuma, em suas montagens, usar este cabo com inscrições em relevo para o fio neutro da rede, ficando o fio sem relevo para o fase da rede.

Cabe aqui, aproveitando a oportunidade, explicar a diferença entre um cabo e um fio já que a maioria das pessoas utiliza de forma incorreta os dois termos. Cabo e fio tem a mesma finalidade básica, que é a de conduzir energia de um ponto a outro. A diferença é na forma como são construidos. O FIO é composto por uma capa isolante, geralmente plástico especial que protege um único condutor maciço de cobre (um "cilindro" comprido de cobre dentro de uma capa isolante). O CABO já é composto por uma capa isolante que protege vários fios de cobre de pequeno diâmetro, torcidos ou alinhados entre si).

Na próxima postagem iremos montar e testar nossa lâmpada de série "chaveável". Como a montagem requer atenção e cuidados, o Macagnan não vai chatear o leitor deste blog com uma postagem quilométrica. Como diria o açougueiro: "Vamos por partes"...

Bom, pessoal, por hoje é só! Até a próxima!
Google+