segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Filosofadas de outubro

Era pra ser somente uma "zapeada" pela net, nem lembro mais o que estava procurando mas "caí de paraquedas" no blog "Eu vi o mundo" e dei de cara com essa frase de Heráclito:

Devidamente "chupinhada" de http://euviomundo.blogspot.com.br
Heráclito, segundo a Wikipedia, foi um filósofo grego cuja linha filosófica alegava que "tudo flui", acreditava na "alternância entre contrários"; assim como o que está quente se esfria, depois do inverno vem o verão... Heráclito acreditava que o próprio ritmo da vida era dinâmico por natureza, onde os opostos não eram duas partes independentes mas manifestações opostas do mesmo fenômeno. O próprio Heráclito explicou isso de uma forma simples quando disse: "Tudo flui como um rio". Tanto as águas calmas quanto as corredeiras são manifestações opostas da mesma água do rio e não porções distintas e separadas entre si.

Transpondo isso para a nossa vida diária, encontramos conceito semelhante no Budismo de Nitiren Daishonin, o conceito de Dez Estados de Vida e sua possessão mútua. Vamos explicar melhor:

Os tais dos Dez Estados de vida (a saber: Inferno, Fome, Animalidade, Ira, Tranquilidade, Alegria, Erudição, Absorção, Bodhisattva e Buda) são o nosso "estado de espírito" em um determinado momento, ou seja, estamos alegres, tranquilos, incomodados, com maus pensamentos, aprendemos com as experiências de outras pessoas e por aí vai... Sabe-se que nosso estado de espírito é influenciado grandemente pelo ambiente em que estamos inseridos e que, de acordo com outro conceito budista (Inseparabilidade da vida e seu ambiente), ao mesmo tempo influenciamos e somos influenciados por esse ambiente positiva ou negativamente. Isso nos leva a concluir que não há estado de vida fixo e imutável, pois ninguém é eternamente alegre ou triste.

Aí o leitor deste blog deve estar se perguntando: "Que raio de estados são esses? Animalidade, Erudição?" Vamos a uma explicação breve sobre cada um deles. (Apertando a tecla SAP em 3...2...1...já)

  1. Estado de Inferno: Estado de vida em que a pessoa literalmente é "perseguida" pelo sofrimento, não tem esperança de melhorar, não consegue tomar nenhuma atitude para mudar sua vida, não tem como aliviar seu sofrimento.
  2. Estado de Fome: Estado de vida em que a pessoa deseja ter tudo o que quer mas mesmo depois de alcançado, não fica satisfeita e quer mais e mais  e mais, perdendo o próprio controle sobre seus desejos.
  3. Estado de Animalidade: Estado de vida em que a pessoa age de forma irracional, instintiva, por impulso, sem medir as consequências de seus atos. Ou como se diz popularmente, "bate e volta" sem pensar.
  4. Estado de Ira: Estado de vida em que uma pessoa tem consciência dos seus atos, diferentemente do Estado de Animalidade, porém é guiada pelo egoísmo, ambição e não se importam em "puxar o tapete" das outras pessoas desde que estejam "por cima ".
  5. Estado de Tranquilidade: Estado de vida em que a pessoa consegue "manter as coisas sob controle", interage com o ambiente com sabedoria. É um estado de vida não muito estável e que pode ser abalado por qualquer coisa que ocorra e que afete a pessoa, podendo cair para os estados inferiores (inferno, fome, animalidade, ira).
  6. Estado de Alegria: Estado de vida em que a pessoa sente-se satisfeita por alcançar o que desejou ou solucionar os problemas que a atormentavam. Também é um estado de vida não muito estável, pois também  pode ser abalado por mudanças inesperadas, fazendo a pessoa cair para os estados de vida anteriormente citados.
  7. Estado de Erudição: Estado de vida em que a pessoa se permite aprender com a experiência e sabedoria de outras pessoas e assim avaliar a si mesma, buscando melhorar e crescer como pessoa, criando hábitos e atitudes saudáveis e corretas.
  8. Estado de Absorção: Estado de vida em que a pessoa literalmente "aprende observando" as manifestações em seu ambiente.
  9. Estado de Bodhisattva: Estado de vida em que a pessoa, além de buscar sua felicidade, preocupa-se em como fazer para que outras pessoas possam descobrir como serem felizes. Algo como ir à frente abrindo um caminho e ao mesmo tempo guiando outras pessoas para que não se percam.
  10. Estado de Buda: Estado em que uma pessoa tem ciência das causas e seus efeitos consequentes, sabedoria  para entender a sua própria vida, desejo incessante de que as pessoas possam também compreender a origem de seus sofrimentos e assim serem libertas destes.
Os Dez Estados de Vida, como foi dito anteriormente, não são fixos e imutáveis. Podemos estar felizes e algo recebermos uma notícia inesperada que nos faça cair em estado de Inferno, por exemplo. A filosofia de Heráclito  vem de encontro a isto, à alternância dos opostos. Da mesma forma que o rio possui águas ora calmas, ora agitadas mas são a mesma água que forma o rio, podemos concluir que a água calma possui a água agitada em sua essência assim como o inverso é verdadeiro pois são a mesma água. Da mesma forma o Budismo Nitiren traz o conceito de "Possessão mútua dos Dez Estados de Vida". Explicando melhor, por exemplo: um rio terá uma tendência maior a ter águas calmas, o que não impede de este mesmo rio vir a ter trechos de águas agitadas, voltando a seguir a ser um rio calmo. Sob o ponto de vista budista, as pessoas tem um "Estado de Vida predominante" que o caracteriza (por isso existem pessoas mais tranquilas, mais observadoras, traiçoeiras, egoístas...). Dentro deste estado de vida predominante, nada impede (visto que já sabemos que os Dez Estados de Vida não são fixos e imutáveis) que uma pessoa alegre possa vir a ter grandes sofrimentos (estado de Inferno), se receber ajuda para conseguir sair deste sofrimento poderá se sentir aliviado e feliz por ter saído da situação de sofrimento (estado de Alegria) e ao ver a situação "sob controle" poderá se sentir mais calma (estado de tranquilidade).

E quanto à frase de Heráclito: "Nenhum homem pode atravessar o mesmo rio duas vezes, porque já nem o homem nem o rio são os mesmos", caímos no conceito da inseparabilidade da vida e seu ambiente pois ao atravessar o rio pela segunda vez, o homem já não será mais o mesmo pois já interagiu anteriormente com o rio (o atravessou, conhece o trajeto da travessia anterior...) nem o rio será mais o mesmo pois já recebeu anteriormente aquele homem em seu leito, já molhou seus pés anteriormente...

Bom, pessoal! Por hoje é só! Até a próxima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Google+