segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Atari 2600 parte 4 - Indo para os "finalmente"

(Mais uma postagem gigante mas vale a pena...)

É, 2012 já está no final e o Atari não ficou pronto. Vai ficar para  2013, paciência... Mas enquanto isso a "reforma" segue devagar, conforme sobra um tempo livre, dividido entre o trabalho, a reforma da casa e algumas horas pra dormir (o Macagnan não é de ferro, né?). Voltando aos controles, desta feita foi a vez do cabo e da placa receberem cuidados.

Lembram de um anel que ficava junto ao guarda-pó na tampa do controle e que (suponho) era colado de alguma forma na borracha? Pois é, acidentalmente acabou se soltando do local e liberando o espaço para a recolocação da alma ou torre e o guarda-pó:

Notem próximo ao centro um anel de cor mais fosca e mais clara.
Anel retirado, aparecem os encaixes.
Podemos ver na foto em "close" (segunda) alguns encaixes na tampa do controle e na terceira a parte debaixo da tampa com o anel instalado. No anel há duas linguetas maiores que servem de referência para reencaixe: uma delas vai próxima à marcação "TOP" na superfície da tampa do controle. O Macagnan esqueceu de fotografar o dito anel para mostrar como é. Por enquanto deixamos os anéis quietos, basta sabermos por enquanto de onde vem e como são encaixados para que não sobrem peças na remontagem do controle. Vamos aos cabos, que são uma outra história à parte, bem interessante, praticamente uma "via crucis"!

Os cabos utilizados para substituir os originais, presos dentro do gabinete do Atari 2600S, foram  adquiridos via Mercado Livre, da vendedora que atende pelo apelido RACHEL_CST1. Não sei até quando o link será válido, mas fica como referência.  Antes disso, tinha adquirido dois conectores DB-9 macho e fêmea para confeccionar os cabos necessários. A ideia era confeccionar o cabo do controle e em um segundo momento, implantar as entradas no gabinete do Atari. Para isso iria usar:

A) Um conector DB-9 fêmea para cada controle, que veio desmontado (se não esquecer, vou fazer um passo-a-passo ilustrado da montagem deste conector, pois sem um manual é complicado!):

Conector DB-9 fêmea, muito usado em antigos mouses seriais
B) Depois de pesquisar um pouco sobre o cabo a ser usado, descobri o cabo manga flexível de seis vias (o mesmo usado para instalação de câmeras de Circuito Fechado de TV). Esteticamente falando, seria bonito encontrar na cor preta mas não é fácil... Já vi por aí na internet sugestão de substituição deste cabo pelo cabo azul de rede porém este é menos flexível mas também vai funcionar.

Cabo manga flexível de seis vias
C) Um soldador elétrico de, no máximo 40 Watts e solda de boa qualidade.

D) Cinco quilos de calma e paciência para soldar fios finos aos teminais minúsculos do conector sem fechar curto-circuitos com soldas escorridas.

Para o Macagnan não compensou comprar o fio, pois o frete para envio era muito maior que o valor do mesmo. Outra alternativa? Cortar um cabo paralelo (de impressoras antigas) e confeccionar os dois cabos com os fios internos.

Cabo paralelo para impressoras
Mas aí vem outra questão? E como segurar todos aqueles fios juntos sem correr o risco de enrolar, quebrar, rasgar a capa? Pense que horrível deveria ser jogar com os seis fios do seu controle expostos, soltos, enroscando-se sabe-se lá onde... Pesquisando sobre alguma coisa para "encapar" os fios, o Macagnan conheceu a tal de "malha para sleeving" usada para organizar cabos, principalmente os de fontes de alimentação de computadores, também descartada pelo Macagnan por causa do alto custo do frete em relação ao seu preço.

Cabos de fonte de alimentação cobertos com malha para sleeving
A "salvação da lavoura" foi o anúncio no Mercado Livre de "Cabos para controle do Atari". Novamente não compensariam muito pelo preço dos dois cabos ficar abaixo do custo do frete mas, pelo fato de se ter o cabo pronto, com conector e tudo, valeria a pena. Pois bem, eis a foto deles:

Cabos DB-9
São cabos completos, com o conector DB-9, nove vias (cabinhos internos) e um terminal para fixação em placa de Circuito Impresso. Notem que há estampado no conector o logotipo da empresa "SEGA". Pesquisando sobre este cabo, tudo indica que deve ter sido retirado de um controle do console Master System ou Mega Drive. Quanto ao fato de ter nove vias, não há problemas. Os cabinhos não utilizados serão cortados rente à capa para não provocarem problemas.

Conector com o logo "SEGA" e os nove cabinhos
 Como o que vai nos interessar são os cabinhos e este outro terminal não tem o mesmo espaçamento dos pontos de solda na placa do controle do Atari, só nos resta descartá-lo. Simplesmente cortamos todos os cabinhos rente ao plástico visto que ainda não sabemos quem é quem na outra ponta do fio. Para descobrir isto iremos usar o multímetro.

O cabo sem os conectores. Notem a guarnição abaixo dos cabinhos.
Repararam que o cabo tem uma guarnição, aquele "tubinho" cheio de anéis perto dos cabinhos? Aquela guarnição irá substituir o tradicional nó por dentro da caixa para que algum puxão ou esforço maior não danifique o controle. Dentro da caixa do controle há uma "lombada" do lado oposto ao botão com um rasgo de cima a baixo no sentido interno para a passagem do fio do controle. É por ali que iremos passar essa guarnição e prender o cabo.

Caixa do controle já com o cabo posicionado e preso pela guarnição.
 O macete é passar primeiro os fios de baixo para cima pela parte mais redonda do rasgo até que a guarnição fique encaixada no rasgo logo abaixo do lado mais grosso da guarnição (não sem alguma dificuldade e com o auxílio de alguma ferramenta que ajude nesta tarefa), depois empurrar para baixo no rasgo até que o cabo fique encostado no fundo da caixa para não atrapalhar no encaixe da placa do controle. Bom, cabo posicionado, vamos à procura dos fios certos para ligar na placa do controle.

Sequência de fios numerada para facilitar o trabalho.

O Macagnan numerou os fios para garantir que não iria se enganar com as cores dos cabinhos. Usando uma placa que traz as abreviaturas das cores ficou fácil (aparenta ser o padrão de cores oficial da Atari para este tipo de controle):

Fio laranja (LA) = Fio 1 - vai ao contato do botão
Fio verde (VD) = Fio 2 - vai ao contato da esquerda do controle
Fio azul (AZ) = Fio 3 - vai ao contato de baixo do controle
Fio preto (PR) = Fio 4 - vai ao redor de todos os contatos
Fio branco (BR) = Fio 5 - vai ao contato de cima do controle
Fio marrom (MR) = Fio 6 - vai ao contato da direita do controle

DB-9 macho conectado ao cabo
Para facilitar o trabalho, encaixe o conector DB-9 macho (o com os pininhos) para facilitar a descoberta de quem é quem. Naturalmente dá para improvisar com um pedaço de fio colocado em cada "buraco" do DB-9 fêmea mas assim fica mais fácil a ocorrência de mau contato e a possibilidade de um erro no mapeamento dos cabinhos. Aí entra em ação novamente o multímetro para nos auxiliar nesta procura.

Iniciando a identificação dos contatos e os respectivos cabos

Como o Macagnan é a favor de fazer as coisas da forma mais fácil e rápida, juntou os DB-9 para facilitar o encaixe da ponta de prova do multímetro. Mas, qual é a sequência certa de pinos e fios a ser usada para que o controle funcione? Quem respondeu esta pergunta foi o Lucas, do site LuccasCorp.

Pinagem do cabo do controle

Confuso, né? Mas tudo fica mais fácil se posicionarmos de forma certa o conector. Olhem lá em cima onde foi apresentado o conector DB-9. Vemos ele com os "buraquinhos" apontados para o nosso rosto. Pois então essa é a visão do desenho do Lucas, e de brinde, ele nos mostra qual é a função de cada "buraquinho" do conector do controle. Vamos numerar os "buraquinhos" para ficar mais fácil de entender o que vai acontecer depois:

Pinagem identificada numericamente

 Anteriormente tínhamos identificado os fios conectados à placa do controle por cor e atribuído um número a ele. Agora vamos complementar aquela identificação acrescentando os números dos "buraquinhos" do DB-9 fêmea:

Fio laranja (LA) = Fio 1 - vai ao contato do botão e ao pino 6 do conector
Fio verde (VD) = Fio 2 - vai ao contato da esquerda do controle e ao pino 4 do conector
Fio azul (AZ) = Fio 3 - vai ao contato de baixo do controle e ao pino 2 do conector
Fio preto (PR) = Fio 4 - vai ao redor de todos os contatos e ao pino 8 do conector
Fio branco (BR) = Fio 5 - vai ao contato de cima do controle e ao pino 1 do conector
Fio marrom (MR) = Fio 6 - vai ao contato da direita do controle e ao pino 3 do conector
Os pinos 5, 7 e 9 do conector, marcados como "NU" não são utilizados neste tipo de controle.


Teste de continuidade
Bom, mãos à obra! Agora é hora de descascar a ponta dos nove cabinhos, colocar o multímetro na escala menor de resistência, posicionar a ponta do multímetro no pino 1 do conector e testar os cabinhos até achar um que dê uma medida diferente de resistência infinita (na foto acima, deu 4,3 ohms). Mantenha este fio separado dos outros e, por precaução, teste também os outros que ainda não foram testados para comprovar que não há nenhum cabinho em curto (fazendo contato indevido com outro). Caso haja algum curto é melhor descartar o cabo inteiro.

Fazendo a correspondência dos cabinhos
Achamos o cabinho que corresponde ao "buraquinho" 1 do conector. Conforme vimos na lista que completamos anteriormente:

"Fio branco (BR) = Fio 5 - vai ao contato de cima do controle e ao pino 1 do conector"

Achamos o fio 5, que corresponde ao cabinho branco. Marcamos então os dois (da placa e do cabo do conector) para depois os ligarmos corretamente. Passamos para o "buraquinho" 2, repetimos todo o processo anterior, depois para os "buraquinhos" 3, 4, 6 e 8, sempre seguindo o mesmo processo.

Cabos novos já soldados nas placas
Depois de identificados todos os cabinhos, é hora de soldá-los na placa do controle, lembrando sempre de limpar bem os resíduos de cola e raspar bem ou lixar os pontos onde será feita a soldagem para que esta fique firme e proporcione um excelente contato elétrico. O Macagnan sugere que, depois de soldados, os cabinhos sejam passados pelas ranhuras entre os contatos e, para dar maior firmeza, passar um pouco de cola silicone (aquele silicone para vedação que cheira a vinagre) para ajudar a manter os cabinhos firmes na placa. Cola quente deve funcionar também. Não é recomendável usar colas do tipo "Super Bonder", "Araldite" e similares pois tais produtos PODEM causar estragos aos cabinhos ou à placa (o Macagnan não afirma com certeza porque não chegou a testar). Vejam em "close" como ficou uma placa já soldada e com os fios passados pelas ranhuras:

Soldagem finalizada ainda sem a aplicação do silicone ou cola quente
Agora sobraram três fios que não foram usados. O que fazer com eles? Deixar soltos dentro do controle? Não, isto não é nada "profissional", correndo o risco de provocar algum curto-circuito acidental. Isolar cada um deles? Seria uma opção mas existe o risco de dificultar o encaixe da placa corretamente no controle. O Macagnan optou por cortar os fios que sobraram BEM rentes à capa do cabo de modo que os fios nunca encostarão em nada.

Chega de trabalho! Na próxima postagem vamos para a parte "mecânica" do controle, diga-se de passagem, a mais "manhosa".

Ah, ia me esquecendo, depois dessa bateria de medições, o multímetro "bateu as botas". Foi guardado funcionando e uns dias depois ligava mas já não media absolutamente nada mais, comprovando a teoria da "descartabilidade". 

Bom, pessoal. Por hoje é só! Até a próxima!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Google+