terça-feira, 14 de junho de 2011

Primeiras imagens do inverno 2011

Nem bem chegou o inverno e suas características já se fizeram presentes. Queda de temperatura, névoa, chuva... E o Macagnan aproveitou para registrar (com o auxílio da câmera de um Nokia C3) algumas imagens desta estação. Quem sabe seja uma tentativa de enxergar o inverno de uma forma poética...


Quando o frio cobre os morros com seu manto vaporoso gélido, as chaminés nos trazem sinais de que é tempo de se aconchegar no calor da nossa casa e da nossa família...


Assim como parece longa a estrada à frente, longa também parece a temporada do inverno...


Entre a beleza do adorno trazido pela estação e os sinais do efeito impiedoso do frio, encena-se o drama da vida e morte, o início e o fim, a ascensão e a decadência...


Mudam as cores, mudam os atores, o espetáculo... Alguns permanecem em cena, outros  recolhem-se aos bastidores para prepararem a próxima cena: a estação da ressurreição!



Frias pérolas vem adornar aquelas que resistem bravamente em sobreviver ao abraço gelado da estação.


E apesar de toda adversidade, a vida insiste, como se a zombar do poder aniquilante do frio, e se mostra vitoriosa mesmo quando todas as condições lhe são desfavoráveis...


É, agora não dá para negar...


Por vezes se faz necessário desapegar-se de tudo que não mais nos auxilia para que possamos sobreviver e nos renovar na próxima estação.


Mudam os hábitos, mudam os comportamentos, velhas tradições ressurgem e são passadas de geração para geração não somente pelo falar mas também pelo praticar.


Aconchegar-se ao calor, junto aos que queremos bem, preservar e ensinar tradições cuja origem vem de tempos longínquos...


E eis que a chuva vem.. lavando e levando embora, por dentro e por fora da gente.


Enquanto a cidade ainda dorme, envolta por um véu branco e frio, o sol pincela de dourado o novo dia.


Enquanto para uns é tempo de preservar-se, para outros é o final de um ciclo, que só continuará na próxima estação, onde seus descendentes manterão vivas todas as suas cores, sua beleza e a efemeridade da sua espécie...

(Para quem se interessar, todas as fotos foram feitas com o celular Nokia C3-00 na resolução de 2 megapixels e tamanho 1600 x 1200, após foram redimensionadas para 1024 x 768)

Bom, pessoal; por hoje é só! Até a próxima!
Google+