segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

chave hotel - parte 2

Retomando a postagem anterior, vamos à uma das partes essenciais da nossa instalação: o interruptor! É ele que fará todo o trabalho que queremos. Antes de prosseguirmos fica aqui um aviso importante (pelo menos para o Macagnan):


AQUI O MACAGNAN ENSINA COMO FAZER MAS NÃO SE RESPONSABILIZA POR ALGUM DANO OU SUSTO DECORRENTE DE ALGUM ERRO COMETIDO DURANTE A MODIFICAÇÃO OU FALHA NA INSTALAÇÃO ELÉTRICA EXISTENTE. SÓ FAÇA MODIFICAÇÕES NA REDE ELÉTRICA SE REALMENTE SOUBER O QUE ESTÁ FAZENDO, CASO CONTRÁRIO CONTATE UM ELETRICISTA DE CONFIANÇA.

Os interruptores utilizados para esta função são diferentes dos interruptores normais usados para ligar e desligar uma lâmpada. São chamados de interruptores paralelos ou three way. Compare os dois tipos:
interruptor paralelo



interruptor simples
Observe que na parte traseira (contrária à tecla), o interruptor paralelo tem três contatos (por isso o nome three way - três vias) e o interruptor simples tem somente dois contatos. Isso faz com que o interruptor simples permita a passagem da corrente elétrica somente com a tecla abaixada em uma única posição. já o interruptor paralelo permite a passagem da corrente  ora em uma posição ora em outra. Imagine o interior do interruptor como uma gangorra que vai apoiada no contato central do mesmo e o(s) contato(s) como sendo o ponto onde a gangorra toca o chão. Vamos convencionar que o fio fase  está conectado ao contato central dos dois interruptores. Observe nos diagramas abaixo como ocorre a passagem da corrente dentro dos interruptores:


No interruptor simples a linha inclinada, que representa o contato móvel interno, só permite a passagem de corrente em uma posição, Já no interruptor paralelo, a corrente passa ora em uma ora em outra posição, não existindo nesse modelo uma posição em que a corrente elétrica seja interrompida. Aqui chegamos ao coração do sistema: se ligamos o fio fase no contato central de um interruptor paralelo, ligarmos os dois contatos restantes do interruptor aos outros dois contatos de outro interruptor e o terminal central deste segundo interruptor a uma lâmpada, chegaremos a uma combinação que só permitirá acender a lâmpada se os dois interruptores permitirem a passagem da corrente elétrica, o que só ocorrerá se os dois interruptores estiverem com os mesmos contatos ligados ao contato central. Caso contrário, não haverá passagem de corrente pelo circuito. Observemos abaixo o diagrama completo da ligação:

diagrama de ligação dos interruptores


Vejamos como seriam as ligações "físicas" deste circuito elétrico:

representação física do circuito

Vamos analisar o circuito acima e seguir o caminho percorrido pela corrente elétrica: um fio fase vem da rede geral e entra no contato central do primeiro interruptor paralelo. Deste mesmo interruptor saem dois fios que chamaremos de "ponte", dos contatos externos do primeiro interruptor e irão conectar-se aos contatos externos do segundo interruptor paralelo. Do contato central do segundo interruptor sairá um fio que será ligado a um dos contatos do soquete da lâmpada. Do outro contato do soquete da lâmpada sairá um fio que será ligado diretamente ao fio neutro da rede geral. Observando o diagrama, fica fácil deduzir que a lâmpada só acenderá quando os contatos internos móveis dos dois interruptores estiverem posicionados nos contatos interligados pelo mesmo fio de "ponte".

É possível acionar mais de uma lâmpada com este sistema, respeitando os limites de carga suportados pelos componentes (amperagem suportada pelos fios e pelos interruptores). Na figura seguinte mostramos o diaggrama de um circuito alimentando duas lâmpadas ligadas em paralelo. Observe que na ligação em paralelo um dos fios de cada lâmpada é ligado junto aos outros no mesmo fio que sai do contato central do segundo interruptor e o outro fio vai ligado ao fio neutro:


diagrama da ligação de lâmpadas em paralelo


E na figura seguinte, as ligações "físicas":

representação física do circuito com lâmpadas em paralelo

Bem, era isso! Não esqueça de isolar as partes expostas que ficarão energizadas (emendas de fios, por exemplo) com fita isolante de boa qualidade, organizar bem os fios dos interruptores dentro de suas caixas para que não causem curto-circuito ao serem fechadas, verificar se não há nada que possa causar curto-circuito, se as ligações foram feitas corretamente (eu sei que pode parecer burrice mas, acredite, esta atitude já me salvou de sérias encrencas). Só então religue a energia e confira se a lâmpada liga e desliga usando-se os dois interruptores. Caso ocorra funcionamento diferente do esperado, desligue a energia e revise o circuito. Se o circuito estiver correto, chame um eletricista de confiança pois poderá haver outro(s) problema(s) na instalação elétrica.

Bom, pessoal! por hoje é só! Até o próximo!

(Em 27 de janeiro de 2013)

Após vários pedidos, estou acrescentado à esta postagem os esquemas para ligar duas lâmpadas de forma independente (acionando-se uma ou outra, ou até as duas ao mesmo tempo, cada uma controlada pelo seu próprio par de interruptor:

Clique para aumentar
Aos internautas D'Almeida e Igreja Vida para Todos, obrigado pela sugestão! Espero que possa lhes ajudar.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Chave hotel - parte 1

Bom, pessoal. Depois de um tempão sem postar absolutamente nada por aqui (ainda sem internet em casa, com um monte de reformas e modificações pra fazer e pouco "cascaio" ($$$$$$$), resolvi aproveitar e publicar aqui uma "coisa" bastante útil e relativamente simples de se fazer. Certamente vocês já viram na casa de algum conhecido aquele sistema onde se acende a lâmpada do quarto em um interruptor próximo à porta e se apaga a lâmpada em outro interruptor geralmente na cabeceira ou do lado da cama ou vice-versa (acende a lâmpada no interruptor da cama e desliga no interruptor próximo à porta). Esse sistema é popularmente conhecido como "chave hotel" (suponho que tenha este nome por te sido usado inicialmente nos corredores de hotéis onde se ligava a iluminação no início e se desligava no fim do corredor).

http://robertounicamp.blogspot.com
Inicialmente é necessário compreendermos alguns detalhes que farão toda a diferença (ou um belo curto-circuito e um susto, hehehe...) ao modificar uma instalação elétrica existente.

  1. SEMPRE DESLIGUE A ENERGIA ELÉTRICA AO MODIFICAR INSTALAÇÕES! A descarga elétrica através do corpo humano causa, na melhor das hipóteses, desconforto na área de contato e na pior das hipóteses pode causar a morte do infeliz esquecido...

  2. USE SEMPRE FERRAMENTAS ADEQUADAS E COM ISOLAMENTO ELÉTRICO ADEQUADO. Não improvise chave de fenda ou Phillips com faca, não use ferramentas com cabos sem isolação e nem substitua alicates por pinças. Lembre-se que os metais são bons condutores de energia. Não deixe emendas de fios desencapadas e procure encapá-las (ou isolá-las) com FITA ISOLANTE de qualidade. Não utilize fita crepe, fita "Durex", saco ou sacola plástica ou qualquer outra "gambiarra" do gênero.

  3. A ENERGIA ELÉTRICA TEM QUE IR E VOLTAR. Para que um circuito elétrico funcione é necessário que a energia elétrica tenha um caminho onde ela chegue até onde deve. A este caminho de chegada chamamos de FIO FASE, que equivaleria a um cano de água cheio chegando à nossa casa. é necessário também um circuito onde a energia possa retornar ao gerador depois de executar o seu trabalho. A este caminho de saída chamamos FIO NEUTRO, que equivaleria a um cano de esgoto por onde retornaria a água já utilizada. Vamos guardar bem este conceito de fio fase e neutro, será importante!

  4. TENHA SEMPRE EM MÃOS OS MATERIAIS QUE IRÁ UTILIZAR. Existe o risco de algum "fuçologista" ou "engraçadinho" alterar algo durante nossa ausência sem que percebamos. A consequência disso você já sabe...

  5. MANTENHA AS DUAS MÃOS SEMPRE NO MESMO LUGAR ONDE ESTÁ TRABALHANDO. Jamais, por exemplo, substitua uma tomada segurando pelos seus fios. Segure o corpo da tomada com uma mão e solte o fio com a chave apropriada com a outra mão. Assim você evita a possibilidade de levar um choque.

Chave-teste
Uma ferramenta importante na fase inicial da modificação da instalação será a Chave-teste; será com ela que iremos descobrir o fio fase antes de desligarmos a rede elétrica. A chave-teste compóe-se da parte metálica de uma chave de fenda normal onde vão ligados em série um resistor de alto valor ohmico e uma lâmpada neon miniatura e termina em um clip atarraxado a uma tampa metálica. Estando a rede elétrica ligada, ao encostarmos a chave-teste em uma parte desencapada do fio e encostarmos um dedo na tampa metálica da chave, observamos se a lâmpada neon se acende dentro do cabo. Caso acenda, este fio é o fio fase. Caso não acenda, é o fio neutro ou, caso exista, o fio terra geralmente de cor verde. A chave-teste não dá choque porque o resistor reduz drasticamente a corrente, deixando o suficiente para a lâmpada acender sem que sintamos algum choque. Caso leve um choque ao manusear uma chave-teste, INUTILIZE-A,  abrindo o cabo e retirando a lâmpada e o resistor de dentro. Desta forma você elimina o risco de acidente com uma ferramenta defeituosa e ganha uma chave de fenda comum. Descoberto o fio fase, marque o de alguma forma para que saibamos quem ele é.

Na próxima postagem vamos conhecer outra parte fundamental nesta instalação: o interruptor paralelo ou three way.

Bom, pessoal, por hoje é só. Até a próxima!
Google+