quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Surdo mas não marginalizado...

Como será que você reagiria se descobrisse que alguém da família é surdo? Será que você estaria preparado(a) para essa novidade?
É, deve ser difícil, pois estamos acostumados a ver, ouvir, sentir, cheirar, sentir o gosto. E quando um destes sentidos nos deixa "na mão"? E se for a audição? Já pensou em não poder mais curtir com tanta clareza as suas músicas preferidas? Já pensou na chateação daquele mala sem alça que fala gritando no seu ouvido parecendo querer implantar as palavras no cérebro? Imagine ser olhado na rua e ver as pessoas te olhando e pensando: "Coitado, ele é surdo..." como se surdez fosse a pior doença do mundo!

Felizmente, isso tem jeito. Hoje existem várias maneiras do surdo se comunicar com outras pessoas, há tecnologias que auxiliam na integração do surdo com o mundo. Mas uma delas tem se mostrado de fundamental importância não só para o surdo ser compreendido pelas outras pessoas mas também para se socializar com outros surdos. Não, não é mágica nem feitiçaria, é a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais), em Portugal a LGP (Língua Gestual Portuguesa). A grosso modo, são sinais feitos com uma ou as duas mãos, que possuem significados predefinidos. Isto funciona como um meio de ligação entre surdos e não surdos e entre eles próprios.

Acredite quem quiser mas, o bicho homem tem tendência a se agrupar entre semelhantes. E isso não seria diferente com os surdos. Apesar de viverem no meio de uma sociedade dita "normal", na medida do possível, os surdos organizam-se seja em comunidades ou grupos de convivência como forma de trocarem experiências, sentirem-se mais valorizados e seguros e fazerem-se presentes. Vale aqui lembrar que surdez não segue um padrão matemático nem regras rígidas. Como dizia uma antiga frase popular: "Cada caso é um caso"...

Mas e aí a gente se pergunta: E a escola? Afinal de contas, o surdo tem tanto direito à educação quanto uma pessoa normal. A Legislação brasileira tem dado passos nesta direção, tentando incluir a LIBRAS nas escolas para que seja minimizada a barreira da comunicação entre o surdo e as pessoas "normais".

E na área de informática não é diferente. Existem vários softwares destinados a facilitar a vida do surdo e dos demais deficientes. Já ouviu falar do programa DosVox? E do microFênix? E há tantos outros por aí, sem falar em equipamentos que são desenvolvidos especificamente para deficientes...

Navegando pela Internet, achei um blog interessante, que vale a pena conferir: "Mundo do silêncio" de Raquel Cambé. Também tem bastante coisa interessante no site da FADERS.

Para finalizar, uma mensagem escolhida pela minha esposa para encerrar seu trabalho escrito em meados do segundo nível do curso de LIBRAS:

“Liberdade é o espaço que a felicidade precisa...”

“O valor das coisas não está no tempo
Em que elas duram,
Mas na intensidade com que acontecem.
Por isso existem momentos inesquecíveis,
Coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis.”

(Fernando Pessoa)


Bom, pessoal, por hoje é só. O Macagnan agradece ao blog Mundo do silêncio e à FADERS pelo material de pesquisa desta postagem. Até o próximo!


2 comentários:

  1. Que seu Natal seja repleto das bençãos de Deus.
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi Macagnan,
    Sou a Raquel Cambé, do blog Mundo do Silêncio. Criei meu blog com a intenção de compartilhar o que tenho aprendido sobre este tema que gosto muito: a Cultura Surda. E adoro quando as pessoas fazem bom uso das minhas postagens.
    Parabéns por seu texto e obrigada pelo crédito e referência.
    Abraço.

    ResponderExcluir

Google+