quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Saudosista mas feliz!


E quem não é saudosista? Em maior ou menor grau todo mundo tem um pouquinho de saudosismo. Não que isso seja ruim, pois sempre é bom ter algo de bom para lembrar, isso traz um "gás" a mais quando estamos nos sentindo "perdidos de nós mesmos". Mas saudosismo em excesso pode prejudicar, alienar a pessoa da realidade e envolvê-la em seu mundo próprio.

Você lembra de uma música que marcou algum momento de sua vida e até hoje, sempre que pode, tenta escutá-la? Tem um filme que por algum motivo ficou marcado na sua vida e você vive procurando na locadora? Tem algum lugar que você gosta de ir somente para relembrar algum fato marcante acontecido com você? Então você é saudosista.

Geralmente temos uma certa timidez em assumir esse saudosismo perante outras pessoas. Às vezes temos a impressão de que nosso saudosismo pode se converter em "teimosia". Eu também sou um pouco saudosista. Uma vez disse e continuo achando que a década de 80 foi a melhor década da música nacional e internacional. Afinal de contas, eu cresci ouvindo essas músicas, lembro-me vagamente de assistir com meu pai filmes de bang-bang em uma tv preto e branco, fiquei maravilhado quando vi pela primeira vez um relógio digital e por aí vai...

O tempo passa, nós crescemos, ficamos velhos, a "barriguinha" aparece e (no meu caso) o cabelo desaparece mas aquele sentimento bom permanece em nós, como se fosse nosso tesouro pessoal armazenado no lugar mais seguro do mundo: dentro de nós.

Bom, depois de todo esse discurso, lembrei-me de algumas músicas da minha infância, outras da mesma época e que vim a conhecer muitos anos depois. E pensei: -E por quê não mostrá-las a alguém? Quem sabe não despertem lembranças preciosas esquecidas em você?

Quando tenho oportunidade, escuto minhas músicas preferidas e fico feliz por "me encontrar" de novo. Sinto que ainda estou muito vivo apesar do ritmo de vida que levamos não nos permitir isso e nos transformar quase que em robôs a serviço de sei lá o quê!

(Imagem extraída do site http://br.olhares.com)

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Perdemos Patrick Swayze.


É, esta semana o mundo perdeu mais uma celebridade. Patrick Swayze (18 de Agosto de 1952 - 14 de Setembro de 2009), 57 anos, vítima de câncer pancreático contra o qual vinha lutando a quase dois anos. Talvez uma celebridade muito menos conhecida do que Michael Jackson. As poucas coisas de que me lembro dele são sua participação no filme "Dirty Dancing" e sua música neste filme (She's like the wind).

Por mais de dois anos levei ao ar um programa romântico aos domingos à noite. Um dos quadros do programa era "Tradução da noite", onde era feita a tradução (ao vivo e em tempo real, acreditem) de uma música romântica de língua estrangeira. É claro que eu pesquisava e imprimia as letras antes, preparava o programa. E nesse pesquisar e traduzir fui aos poucos me encantando com as letras, especialmente das músicas românticas que encontrava. Algumas possuíam uma letra simples, sem trocadilhos e outras frescuras e sem o apelo ao escracho das músicas atuais, porém de conteúdo capaz de tocar até os corações mais duros. Me surpreendi com muitas das músicas que traduzia pela qualidade do seu conteúdo.

She's like the wind entrou para minhas preferidas por obra do acaso. Já havia ouvido a música algumas vezes e, sem conhecer a letra, achei-a bastante agradável aos ouvidos. Um belo dia (não me lembro mais a data exata) comprei por acidente um disco usado (sim, em plena era dos CDs eu ainda comprava alguns discos) onde dizia na capa "Patrick Swayze" e a famosa She's like the wind. Comprei o disco sem olhar; quando fui fazer isto, ôpa! Era um disco promocional! Para quem não sabe ou não lembra mais, os discos promocionais eram discos distribuidos "de grátis" com apenas uma música nos dois lados, geralmente a música principal do mais recente disco a ser lançado. (também chamados de single, do inglês único, por trazerem apenas uma música). Esse disco servia como material de divulgação e conquista dos consumidores. Pense nele como uma "amostra grátis". Tais discos, por serem de natureza promocional, não poderiam ser vendidos (mas...). Fiquei decepcionado (poxa, comprei um disco promocional com a mesma música nos dois lados!). Mas o que compensou foi a tradução da letra no verso da capa. Para quem ficou curioso, aí vai a letra original e a tradução encontradas no site Vagalume:


She's like the wind through my tree
Ela é como o vento através do meu tronco
She rides the night next to me
Ela trilha a noite perto de mim
She leads me through moonlight
Ela me guia ao longo do luar
Only to burn me with the sun
Só pra queimar-me com o sol
She's taken my heart
Ela está roubando meu coração
But she doesn't know what she's done
Mas ela não sabe o que me faz
Feel her breath on my face
Sinto a respiração dela em meu rosto
Her body close to me
O corpo dela junto ao meu
Can't look in her eyes
Não consigo olhar em seus olhos
She's out of my league
Ela está fora do meu alcance
Just a fool to believe
Apenas um bobo pra acreditar
I have anything she needs
Que eu tenho algo que ela precisa
She's like the wind
Ela é como o vento
I look in the mirror and all I see
Eu olho no espelho e tudo o que vejo
Is a young old man with only a dream
É um "jovem homem velho" com um só sonho
Am I just fooling myself
Eu estou apenas me enganando
That she'll stop the pain
Que ela irá parar a dor
Living without her
Vivendo sem ela
I'd go insane
Eu iria ficar louco
Feel her breath on my face
Sinto a respiração dela em meu rosto
Her body close to me
O corpo dela junto ao meu
Can't look in her eyes
Não consigo olhar em seus olhos
She's out of my league
Ela está fora do meu alcance
Just a fool to believe
Apenas um bobo pra acreditar
I have anything she needs
Que eu tenho algo que ela precisa
She's like the wind
Ela é como o vento

E vão-se, um a um, meus cantores preferidos. Ficam as vozes registradas, as letras. Perde-se a emoção imposta na interpretação da letra, o toque pessoal do cantor ao cantar. Fica um microfone vazio, à espera de que venha alguém a tirá-lo do silêncio da ausência de quem já não fala mais com ele. E com isso, percebo também que estou envelhecendo. Patrick Swayze, vá em paz! Sua missão aqui está cumprida!

Até o próximo, pessoal!

(Imagens retiradas de diversos sites na Internet)

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

A lição do monitor.

Nesses dias em que vivemos, rodeados por equipamentos eletrônicos, digitais, computadores e etcetera, pouco a pouco vamos nos condicionando a ver a vida de um modo mecânico, preciso, alucinantemente ágil e sobrecarregados de informações que, sabe-se lá iremos precisar. Uma certa vez, em um momento filosófico, olhando para um monitor, acompanhando o comportamento de um computador que estava reparando, de repente "travou". Simplesmente travou! E nessa hora, o que a gente faz? Dá aquele tapão com gosto do lado do monitor. Que atire a primeira pedra quem nunca fez isso... E quando estava a alguns centímetros do monitor, parei! Pensei: - Ei, o monitor está funcionando muito bem. Quem está fazendo coisa errada é a "CPU" ( no caso, o gabinete com todas as outras tralhas dentro). Quem deveria levar este tapa era ela! E eis que me veio a inspiração para a seguinte fábula.

Fábula? O que é isso?

Bom, isso é uma história antiga mas vou explicar: fábula é uma história fictícia, casta e que traz uma mensagem de moral ao seu final. Famosas são as Fábulas de Esopo, das quais pude conhecer as mais famosas através de uma coleção de livros chamada "O Mundo da Criança" da Editora Delta. Geralmente os personagens das fábulas de Esopo eram animais mas as suas atitudes eram idênticas aos seres humanos assim como as morais ao fim das fábulas cabiam aos mesmos.

Voltando ao monitor... Por um segundo refleti quantas vezes havia feito este ato raivoso e impensado penalizando quem simplesmente se limitava a mostrar o que estava acontecendo de errado com os outros. Senti-me até um pouco culpado por essa injustiça e prometi daquele momento em diante tentar nunca mais repetir esse erro.

A lição de moral que tirei disso e que infelizmente se aplica, e muito, ao ser humano?

" Quem mostra a verdade ou os erros dos outros é o primeiro a sofrer a punição por isso".

Até o próximo! Não maltratem seus monitores, eles não têm culpa dos travamentos do computador...

(Imagem: http://blablacafe.blogspot.com)

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Fuçando e aprendendo…

Quem já não estava no meio de um jogo interessante no computador na casa de um primo ou amigo e teve que sair do jogo para ir para casa. E em casa o jogo estava “atrasado”? Que decepção! E nessa hora a gente se pergunta: – E se tivesse um jeito de levar o jogo do jeito que estava lá na casa do nosso amigo ou primo?

Fuçando em dois joguinhos de computador, acabei descobrindo um meio de fazer esse “milagre” do transporte do jogo. Não que eu vá, num passe de mágica trazer uma cópia do jogo para o nosso computador. Milagre, magia e coisas do tipo NÃO EXISTEM na informática. O que existe é pura e simplesmente lógica, matemática e paciência (muuuita!).

O que vou mostrar aqui não é regra geral; pode funcionar com alguns jogos ou não. Antes de começar, reforço aqui a importância de um “backup” e até a criação de um ponto de restauração (Windows XP e acima). Vou usar como exemplo os jogos “Chuzzle Deluxe”, produzido pela Raptisoft/PopCap Games e “Zuma Deluxe” produzido pela Zylom Games.
Nestes dois jogos você cria um “profile” (perfil) onde ficam armazenadas as informações sobre os níveis que você passou, a sua pontuação e outras informações que eu não faço idéia do que sejam. Vejamos onde ficam esses dois “profiles” :

No “Chuzzle Deluxe”, o arquivo fica em “C:\Arquivos de programas\Chuzzle Deluxe\Profiles”.

(pasta “C:\Arquivos de programas\Chuzzle Deluxe\Profiles”)

Dentro da pasta “Profiles” haverá outra com o nome de seu perfil criado no jogo. Esta pasta é a que você irá copiar. Depois, no computador em que queremos continuar jogando, colamos esta pasta exatamente no mesmo lugar onde estava a que copiamos. Então é só entrar no jogo e continuar do ponto onde estava. E não esqueça de fazer uma cópia do arquivo original em outra pasta. Caso não dê certo, você tem como voltar tudo ao normal (asim esperamos, hehehe…)

No “Zuma Deluxe”, o arquivo fica em "C:\Arquivos de programas\Zylom Games\Zuma Deluxe".

(pasta "C:\Arquivos de programas\Zylom Games\Zuma Deluxe")

Dentro da pasta “Zuma Deluxe” há uma pasta chamada ”userdata”. Esta é a pasta que você irá copiar. Depois, o procedimento é o mesmo descrito para o jogo “Chuzzle Deluxe” (copiar a pasta de sua origem para o outro computador).

Reforço aqui a necessidade de se ter feito cópia dos arquivos que vão ser substituídos e até a criação de um ponto de restauração do sistema. Lembro ainda que nem sempre isso pode funcionar, por isso, faça por sua conta e risco com outros jogos! Esses dois eu testei e deu certo.

Boa diversão e até o próximo!

(Imagem extraída do site http://meiobit.pop.com.br/)

Google+