domingo, 9 de agosto de 2009

64 anos da bomba atômica de Hiroshima: nada a comemorar


(Imagens e texto de pesquisa: Wikipedia)

9 de Agosto de 1945. Um dia para a humanidade se envergonhar. Neste dia milhares de vidas inocentes foram ceifadas, de imediato ou com o passar do tempo. Nesta data a cidade de Nagasaki foi o alvo da "Fat Man", uma das bombas atômicas que atingiram o Japão. Três dias antes foi a cidade de Nagasaki vítima da "Little Boy". É inegável o fato de que a tecnologia nuclear trouxe benefícios como as usinas nucleares que se tornaram uma alternativa, na minha opinião muito arriscada, para geração de energia elétrica; o surgimento da medicina nuclear, que elevou a outro patamar os diagnósticos médicos. Porém é inegável também o fato de que milhares de pessoas comuns, assim como eu e você tiveram que arcar com as consequências disso. Imaginem quantas pessoas que não tinham absolutamente nada a ver com a guerra e acabaram sendo mortas pela ação da bomba ou que tiveram sequelas causadas pela radiação.
Quantas crianças foram vítimas deste ato?
Quantas crianças ficaram órfãs por causa deste ato de guerra? É fato conhecido que após a guerra muitas crianças nasceram com deficiências físicas. E quem realmente tinha interesses nessa guerra sequer pisou lá! E o quê se ganhou com isso? O Japão ressurgiu como uma potência mundial, mas pagou um preço caríssimo, na minha opinião. E os Estados Unidos, ganharam o quê com isso? Status, dinheiro? E a lembrança dos inocentes que tiveram suas vidas, seus sonhos e aspirações interrompidos? Tem dinheiro que pague uma vida interrompida? E milhares delas? A questão que fica é: O que aprendemos com isso? Valeu a pena?
Para finalizar e a título de curiosidade, o avião que lançou a bomba atômica sobre Hiroshima chamava-se "Enola Gay", um bombardeiro modelo B-29 que levava o nome da mãe do piloto, coronel Paul Tibbets. Dizem que o coronel, depois que viu o estrago que o "Fat Man" havia feito, enlouqueceu e teve de ser afastado de seu posto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Google+